Vivo amplia participação no mercado de 4G

Vivo amplia participação no mercado de 4G

A operadora Vivo já está presente em 2,6 mil cidades, atendendo agora a 84,5% da população brasileira com a rede 4G. A operadora liderou a expansão desse segmento no país e agregou mais 2.084 novos municípios à sua rede durante o último ano, informou a companhia.
Desse total, 404 cidades foram conectadas por meio da frequência de 700 MHz. Apenas em dezembro, foram cobertas 295 cidades com a tecnologia de quarta geração, dentre as quais o estado do Rio de Janeiro. Em dezembro, a operadora levou o 4G+ a 118 municípios.
O 4G+, que está presente em todas as capitais brasileiras, oferece até duas vezes mais velocidade à navegação, por meio da agregação de frequências do espectro.
Com isso a empresa se mantém na liderança do segmento de internet móvel com o 4G, acumulando 33,6% de market share (dados de dezembro da Anatel).
A rede de quarta geração permite o acesso à internet em altíssima velocidade e oferece melhor experiência para quem gosta de ver vídeos, ouvir música via streaming ou jogar games online.

Gastronomia  ‘made in Brazil’ invade NY

Gastronomia ‘made in Brazil’ invade NY

Alberico, da churrascaria Plataforma, conta que é muito mais fácil e rápido abrir um negócio nos EUA se comparado ao Brasil

Por Viviane Faver
De Nova York

 A gastronomia brasileira, conhecida no exterior por deliciosas carnes, feijões e frutas tropicais, domina uma rua inteira no coração de Manhattan, a  46th street, também chamada de “Little Brazil”.  E o mercado está em franca expansão. Isso ocorre porque cada vez mais brasileiros buscam o exterior para abrir seus negócios.  Dados do consulado americano em São Paulo, apontam que o investimento brasileiro nos Estados Unidos aumentou 89% nos últimos cinco anos. E a tendência é que  continuem a crescer.
Nos últimos anos, o investimento dos criadores de negócios brasileiros cresceu especialmente por conta do quadro da crise econômica: eles perceberam que precisam diversificar seu mercado.
Mas só a crise não justifica a decisão de se mudar completamente – incluindo todo o processo de imigração do Brasil. Manuel Mendes, especialista em estratégia pela Universidade Harvard e executivo da consultoria Boston Innovation Gateway, cita diversos outros motivos para brasileiros apostarem na terra do Tio Sam.
“Do ponto de vista da empresa, temos o fato de os Estados Unidos ser um país claro e estável quanto à legislação de investidores e negócios. Também são um polo de atração de mentes brilhantes e de transferência tecnológica, o que é uma vantagem na hora de contratar”, explica Mendes.

Marcela, do mercado Búzios: todos os produtos são importados do Brasil ou comprados de empresas brasileiras em New Jersey

Little Brazil
Pioneira, a Churrascaria Plataforma, inaugurada em novembro de 1996, tem clientes brasileiros que moram e visitam a cidade, porém houve aumento de grupos empresariais americanos que fazem reserva para celebrar datas importantes.
O sócio da empresa, Alberico Campana Junior, conta que entre 2011 e 2013 a clientela de turistas brasileiros aumentou significantemente, porém depois os americanos passaram a ser predominantes.
Sobre abrir um negócio relacionado a comida em Nova York, Alberico revela que é muito mais fácil e rápido se comparado ao Brasil. “O sistema de tributação é fácil e enxuto em termos burocráticos. As regras e as entidades fiscalizadoras ajudam e educam antes de penalizar a empresa. Qualquer nova exigência é amplamente divulgada e demonstrada. E, em caso de falhas, sempre há espaço para corrigir o problema antes de uma penalidade ser aplicada”, declara.
Um pouco mais recente que a churrascaria Plataforma, o supermercado Búzios, reivindica o título de mercado brasileiro “mais autêntico” da região, essa loja traz todos os ingredientes necessários para cozinhar pratos brasileiros em casa. Palmito, batata palha e requeijão estão entre os principais produtos. Para os amantes de doces, eles trazem paçoca e bananada, entre  outros.
Segundo a proprietária do mercado, Marcela Ferreira, todos os produtos são importados do Brasil ou comprados de empresas brasileiras em New Jersey. A linguiça, por exemplo, é  produzida por brasileiros nos EUA.
Ela conta que a procura por pessoas de outros países também cresceu. “Estrangeiros, mas ligados ao Brasil de alguma forma, seja por se relacionar com algum brasileiro ou ter visitado nosso país, procuram nossos produtos”, conta.
Abre-alas para sustentabilidade

Abre-alas para sustentabilidade

Um grupo de dez catadores de materiais recicláveis estarão distribuindo 40 mil sacolas para quem for na Sapucaí durante os cinco dias de carnaval. Nas embalagens constarão explicações sobre o correto descarte do lixo produzido durante o evento. O trabalho de educação ambiental que será realizado com os foliões terá a coordenação do ativista ambiental Tião Santos – conhecido pelo filme “Lixo Extraordinário”, do artista plástico Vik Muniz, indicado ao Oscar. “A nossa expectativa é reciclar cerca de 45 toneladas de materiais, o que representaria uma redução de 35% dos resíduos gerados no Sambódromo”, avisa Santos. A campanha tem como objetivo atender às políticas nacional e municipal de resíduos sólidos.

A logística do recolhimento do lixo durante o carnaval ficará a cargo da Comlurb. Porém, após a coleta, o material será encaminhado para uma área próxima ao Sambódromo e recebida por cooperativas vinculadas à Associação de Catadores do Aterro Metropolitano de Jardim Gramacho. Serão 53 pessoas trabalhando, entre catadores de materiais recicláveis, ajudantes e motoristas, divididos em dois turnos. Os recicláveis serão enviados às empresas que compram esses itens e transformam em produtos que serão comercializados novamente. A iniciativa, que é uma realização da Liesa e do Movimento ‘Eu Sou Catador’ , conta com o patrocínio da rede Champion Fried Chicken e da Estre Ambiental e apoio da Comlurb e Riotur.