NY se prepara para o Brasil Summerfest

NY se prepara para o Brasil Summerfest

Por Viviane Faver
De Nova York

Evento brasileiro, o Brasil Summerfest http://brasilsummerfest.com/, vai fazer um link entre Nova York, nos Estados Unidos, e São Paulo, de domingo até o dia 12 de agosto. As duas cidades terão eventos de música e cinema em diferentes pontos. Entre os artistas que participarão do Brasil Summerfest estão Chico Buarque, Seu Jorge, Negro Leo, Roberta Sá, Nação Beat entre outros.
Em entrevista exclusiva, a relações públicas do evento, Aliza Rabinoff, conta um pouco da trajetória do Brasil Summerfest, lançado em 2011, visava criar uma plataforma para a música brasileira ser exibida para um público amplo de Nova York. “Eu trabalhei com música e artistas brasileiros por vários anos antes do lançamento do evento e fiquei impressionada com todos os novos talentos e música contemporânea que estavam saindo do Brasil. E daí que veio a inspiração”, conta Aliza.
“Desde então, o festival cresceu exponencialmente e este ano estamos fazendo nossa maior edição até hoje. Embora a música ainda seja o foco principal, o festival cresceu para abranger outros aspectos do estilo de vida e cultura brasileiros”, acrescenta.

VIVIANE – Como foi o processo de parceria com fornecedores e profissionais de marketing brasileiros para realizar o projeto?
ALIZA – Trabalhamos com empresas locais e fornecedores de alimentos para nossa feira de rua. Pequenas empresas, alimentos, produtos, bebidas combinadas com música e entretenimento são a ideia por trás da feira. A feira foi apresentada no ano passado e tivemos mais de 3 mil pessoas presentes. Foi um grande sucesso. É uma ótima iniciativa porque nos conectamos com empresas locais e fornecemos uma plataforma para exibir seus produtos enquanto entretemos muitos participantes. Para os nossos programas musicais e culturais, fazemos parcerias com instituições artísticas e locais de alto perfil. Eles incluem o SummerStage da City Parks Foundation, o Lincoln Center, o Blue Note, para citar alguns.

VIVIANE – Qual foi o aumento de 2017 em relação a 2016? E qual é o crescimento esperado para 2018 em relação ao número de público e consumidores e retorno?
ALIZA – O ano de 2017 foi incrível! Foi maior do que no ano anterior e o festival continua crescendo ano a ano em termos de conscientização, atendimento e número de programas que apresentamos. 2018 será ainda maior que no ano passado. Temos duas semanas completas de programação, incluindo mais de 15 apresentações musicais, filmes, feira de rua, workshops, etc. É muito emocionante! Em 2017, tivemos cerca de 12.000 participantes, enquanto este ano esperamos cerca de 16 mil pessoas.

VIVIANE – Como a situação política no Brasil impactou nas empresas para investir mais nos EUA?
ALIZA – A situação política e econômica tornou as coisas piores em termos de investimento, especialmente para artes e cultura. Uma crise política e econômica nunca ajuda.

VIVIANE – Esse fator (economia e política no Brasil ) afetou o evento?
ALIZA – Até certo ponto. O mais difícil é a desvalorização do real, o que tornou muito caro para artistas e participantes virem para Nova York. É raro recebermos apoio financeiro do governo ou de empresas que só operam no Brasil, por isso aprendemos a não depender disso. O festival depende, em última instância, da disposição e determinação de nossos funcionários, parceiros e artistas.

VIVIANE – Você poderia nos falar sobre a expansão para Philly e São Paulo?
ALIZA – Sim, este é um ano emocionante por causa da nossa expansão para duas cidades. Esse foi o objetivo do Brasil Summerfest de muito tempo atrás. Queremos levar o festival em turnê e atingir os principais mercados nos EUA, no Brasil, e com sorte, na Europa e no Japão.

VIVIANE – Quais são as expectativas com essa expansão?
ALIZA – Queremos continuar crescendo como uma marca, criando uma turnê viável para o festival e os artistas que estão aqui se apresentando. Muitos deles vêm aqui para realizar um show ou dois que não é financeiramente sustentável para eles. Mas se pudermos construir um festival de turismo que atinja cinco mercados, por exemplo, isso contribui para uma economia melhor, mais visibilidade e audiência.