Farm abre loja em NY e mira mais três cidades nos EUA

Farm abre loja em NY e mira mais três cidades nos EUA

Por Viviane Faver
Uma das mais famosas marcas de roupas, a carioca Farm, inaugurou sua primeira loja internacional no Soho, em Nova York no final de abril. E já tem previsão para inauguração da segunda no dia 10 de julho em Los Angeles, e terceira no mês de setembro, em Miami. E até o final do ano a marca pretende abrir a quarta loja no Texas.
E os planos não param por aí: no meio de toda essa expansão, e empresa iniciará vendas para China através da plataforma online T-Mall, com planos de entrar em breve no mercado europeu, segundo a diretora criativa da Farm, Kátia Barros em entrevista ao DIA.Ela conta que a empresa enxerga Nova York como a plataforma de lançamento para a expansão global, iniciando esse processo pela cidade americana que é a capital de negócios. “O bairro escolhido, o Soho, especificamente é a vizinhança perfeita para alcançarmos os novaiorquinos e também turistas”, diz.

“Com a abertura da loja do Soho, além de ampliar a visibilidade da marca, possibilitamos que os consumidores experimentem a a marca de uma maneira imersiva e muito especial”, conta Kátia.

O projeto criado pelo Marcelo Rosenbaum traz para NY toda a energia brasileira e cria um ambiente acolhedor. A diretora da marca acrescenta que o público alvo em Nova York são mulheres autênticas, solares, de espírito jovem e que buscam marcas que estão alinhadas com o seu estilo de vida.

“A coleção que está à venda na loja do SoHo foi desenvolvida com foco nas especificidades do mercado americano, com a temática Spring Summer 19, destacando o que Farm tem de mais original: a estamparia”, acrescenta.

No entanto como toda boa expansão requer cuidados e muito estudo, Kátia explica que o processo de internacionalização da marca se iniciou a mais de dois anos. “Durante esse tempo, estudamos o mercado e o consumidor americano para traçar a melhor estratégia de produto e negócio. Trabalhamos com um esforço coletivo de equipes internas e externas”, finaliza.

Edição Martha Imenes
EUA são o principal mercado para sapatos brasileiros

EUA são o principal mercado para sapatos brasileiros

Viviane Faver/ODIA
As marcas de sapatos brasileiras irão se beneficiar da renovação de contrato entre a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), que ocorreu na quarta-feira passada, na 51ª Francal, em São Paulo, obtendo mais oportunidades para vendas e exportação para os Estados Unidos. Segundo o diretor-executivo da Abicalçados, Haroldo Ferreira, contou ao https://odia.ig.com.br/  que serão R$ 30,8 milhões investidos em ações nos próximos dois anos. Desses, R$ 16 milhões são provenientes da agência e R$ 14 milhões são contrapartida das empresas participantes.

Os Estados Unidos são o principal mercado para o calçado brasileiro no exterior mantendo a posição há 20 anos, de acordo com a responsável pelo mercado internacional da associação, Ruisa Korndorfer Scheffel. “No princípio, as exportações, na década de 70, chegaram a responder por 70% do total gerado pelos embarques. O país segue como principal mercado internacional, porém respondendo por uma fatia menor, de cerca de 20% (em valores)”, conta Ruisa.

No entanto, ela acrescenta que mercado norte-americano é também muito competitivo. “Todas as grandes marcas do mundo têm interesse de atingir o consumidor americano. Os Estados Unidos é vitrine mundial”, afirma. Por isso ela alerta sobre a importância o perfil do cliente americano. “O cliente norte-americano tem uma gama enorme de marcas de diferentes países a disposição, por isso as marcas brasileiras precisam mostrar que possuem um diferencial e que é um atrativo para o seu público final”, orienta.

A maior parte dos produtos brasileiros estão concentrados na Costa Oeste, por ser local de realização de uma das maiores feiras do mundo voltada para esse setor, a FN Platform, em Las Vegas.

Números de exportação e negócios

No mês de maio, conforme dados da Abicalçados, os norte-americanos importaram 782 mil pares de calçados, pelos quais foram pagos US$ 14,7 milhões. Os resultados são superiores tanto em volume (63,7%) como em receita (80%) na relação com igual período do ano passado. Com isso, no acumulado dos cinco meses do ano, os Estados Unidos já somaram 5,6 milhões de pares importados do Brasil, pelos quais foram despendidos US$ 84,76 milhões, incrementos de 31,2% em pares e de 43,4% em receita no comparativo com período correspondente do ano passado.

O presidente-executivo da Abicalçados, Heitor Klein, destaca que a guerra comercial, instalada entre Estados Unidos e China, tem feito com que os norte-americanos – que representam o maior mercado consumidor de calçados do planeta – substituam seus fornecedores, buscando importações em outros países. “Os Estados Unidos importam mais de 2,3 bilhões de pares por ano, mais de 70% deles da China. Então o impacto é muito significativo”, explica Klein, para quem o mercado brasileiro tem plenas capacidades de absorver boa parte da demanda norte-americana. Nos últimos cinco meses, continua o executivo, as vendas de calçados chineses para os Estados Unidos caíram mais de 70%.

Estados brasileiros

Nos cinco primeiros meses do ano, o maior exportador de calçados do Brasil seguiu sendo o Rio Grande do Sul, de onde partiram 12,17 milhões de pares por US$ 181,23 milhões, altas de 11,8% em pares e de 2,7% em receita. O segundo exportador foi o Ceará. Nos cinco meses, os calçadistas cearenses exportaram 19,53 milhões de pares por US$ 115,8 milhões, incrementos de 5,6% e de 15,4%. No terceiro posto apareceu São Paulo, de onde partiram 3,3 milhões por US$ 44,18 milhões, incremento de 10,1% de volume e queda de 4,4% em receita.

Edição: Martha Imenes