Brasileiros buscam exterior para empreender

Brasileiros buscam exterior para empreender

Martha Imenes
Para O DIA

A falta de segurança – pública e financeira – no Brasil tem feito cada vez mais brasileiros buscarem o exterior para morar e empreender. Para se ter uma ideia, nos últimos seis anos, o número de declarações de saída definitivas do Brasil junto à Receita Federal quase triplicou, segundo o órgão. Enquanto, em 2011, 8,1 mil pessoas buscaram outros países como residência; no ano passado, o total subiu para quase 22 mil.
Mas para trabalhar e morar nos Estados Unidos uma das alternativas é dar entrada no visto de permanência, que permite ao expatriado ter os direitos de um cidadão natural. Nesse contexto, o país mais procurado é os Estados Unidos, onde, no ano passado, os brasileiros investiram US$ 37 bilhões, montante que gerou mais de 74 mil empregos segundo levantamento da U.S. Bureau of Economic Analysis.
Mas quem são os brasileiros que deixam o país? Em conversa com O DIA, Jorge Botrel, especialista em expatriação e sócio da JBJ Partners, traçou esse perfil: são pessoas com 30 anos, que tenham família e filhos em idade escolar. Levantamento feito pela empresa mostra que 95% dos pesquisados afirmam não ter planos de voltar a viver no Brasil nos próximos anos. As principais razões citadas são violência, instabilidade econômica e corrupção. “As pessoas cansaram da violência e instabilidade do País”, avalia Jorge Botrel.
Nos últimos quatro anos, segundo a pesquisa, o percentual de pessoas com formação superior que se mudou para os Estados Unidos subiu 10 pontos percentuais, passando de 83% para 93%. Além disso, o percentual de expatriados casados subiu para 68%, e, destes, 83% são casados e têm filhos. Essas categorias, há quatro anos, correspondiam a 41% e 63% do público, respectivamente, o que evidencia o caráter de proteção dos familiares da violência brasileira, na avaliação de Botrel.

Como e quanto investir
Investir nos Estados Unidos não é um “bicho de sete cabeças”, mas requer muita pesquisa e cuidados como conhecer bem o mercado, a cultura, as demandas pelo produto ou serviço. “É importante que o investidor fique um tempo nos Estados Unidos para conhecer a região, sentir como é a localidade. O ideal é que fique em um Airbnb para ter a experiência de ‘morar’, para só depois se decidir”, orienta Botrel, que vive na Flórida.
Um dado importante a destacar é que para brasileiros com baixo investimento, o mínimo são US$ 100 mil, é preciso ter dupla cidadania para tero visto concedido. Esses países devem ter acordos bilaterais com os Estados Unidos, como Argentina, Colômbia, Chile, Equador, Espanha, Itália, Alemanhã e Japão, por exemplo. Outros casos que dão direito a visto de permanência requerem investimentos maiores, em torno de US$ 300 mil a US$ 500 mil.
O visto de investidor que mais teve aumento foi o L1, alta de 11% entre 2016 e 2017. Na prática, o L1 permite que executivos administrem uma subsidiária de empresas de faturamento mínimo de US$ 1 milhão nos Estados Unidos. Além do L1, também é possível solicitar permanência a partir do visto EB-5, que exige investimento de US$ 500 mil em empresas que criem, ao menos, 10 postos de trabalho no prazo de dois anos.
Ao final do prazo, o Green Card é concedido ao investidor, caso a condição de criação de vagas tenha sido cumprida. Para brasileiros com dupla cidadania, como italiana, alemã e espanhola, o visto E2 permite o mesmo processo com investimento inferior, a partir de US$ 100 mil. Nos três casos, o documento inclui alguns familiares, como esposo ou esposa e filhos.

Kraft Heinz recruta estagiários

Kraft Heinz recruta estagiários

A Kraft Heinz Brasil http://www.heinzbrasil.com.br busca jovens talentos para ingressar na companhia por meio de três programas: Trainee, Estágio e Summer. “Nosso propósito em atração de gente na Kraft Heinz é buscar pessoas para sonhar, realizar e construir com muito protagonismo, empreendedorismo e mão na massa. Buscamos pessoas que queiram fazer a diferença, por meio da construção positiva ao negócio”, afirma Carolina Oliveira, coordenadora de Talent Acquisition LatAm.

Ela destaca, ainda, que os jovens talentos da Kraft Heinz são as peças fundamentais para fortalecer as marcas da companhia, desenvolver o mercado e colaborar com a criação e consolidação de processos, entre outras atribuições.

Interessados no Programa de Trainee devem ter se formado entre dezembro de 2016, 2017 e 2018, com nível fluente em inglês. Os candidatos selecionados iniciam na companhia em janeiro de 2019, com um ano de duração no Programa, com muito trabalho, construção e aprendizado, incluindo a apresentação de um projeto que, se for o campeão, será apresentado na convenção América Latina com a presença de líderes globais.

Os candidatos ao Programa de Estágio devem cursar o penúltimo ou último ano da graduação, com nível avançado em inglês. São seis meses ou um ano como estagiário, que terá como desafio trabalhar em seu projeto e nos indicadores da respectiva área. O melhor colocado vai direto para a fase final do programa de Trainee. Os selecionados ingressam na companhia em janeiro de 2019.

Já os selecionados pelo Programa Summer são jovens matriculados na universidade, também com inglês avançado, e iniciam na Kraft Heinz em dezembro de 2018. São três meses de dedicação integral, incluindo a apresentação de um projeto que, se for o melhor, vai para a fase final de Estágio. O desafio é focado integralmente em seu projeto.

Serviço

Programa de Trainee

Inscrições: até 30 de setembro de 2018

Duração: um ano

Candidatos: graduados a partir de dezembro de 2016, 2017 e 2018

Início em: janeiro de 2019

Programa de Estágio Kraft Heinz

Inscrições: até 21 de outubro de 2018

Duração: seis meses a 1 ano 1/2

Candidatos: cursando o penúltimo ou último ano da graduação, em qualquer curso

Início em: janeiro de 2019

Programa Summer Kraft Heinz

Inscrições: encerradas em 26 de agosto

Duração: três meses

Candidatos: cursando graduação, em qualquer curso

Início em: dezembro de 2018

Prefeitura de Maricá abre concurso para 603 vagas

A Prefeitura de Maricá lançou edital de concurso público com 603 vagas para candidatos com níveis Médio completo, Médio-Técnico e Superior. Os vencimentos básicos vão de R$ 1.874,88 a R$ 9.185,40. Interessados podem se inscrever até 3 de setembro no site da Coordenação de Seleção Acadêmica da Universidade Federal Fluminense, no endereço www.coseac.uff.br/concursos.
Há oportunidades para professores, inspetor escolar, orientador pedagógico, assistente social, enfermeiro, fonoaudiólogo, nutricionista, pedagogo, psicólogo, terapeuta ocupacional, contador, dentista, auditor, analista de controle interno, fiscal de tributos e procurador, destinadas às secretarias.
As taxas de inscrição custam R$ 50 (Nível Médio), R$70 (Superior) e R$ 140 (procurador), e é possível pedir isenção até 13 segunda-feira, informando dados do CadÚnico na ficha de inscrição. O calendário com datas de provas, divulgação de gabaritos e demais informações também está disponível no site da UFF/Coseac.

Facebook seleciona universitários para programa de estágio 2019 no Brasil

Facebook seleciona universitários para programa de estágio 2019 no Brasil

A maior rede social do mundo, o Facebook, abriu inscrições para o programa de estágios de 2019. As oportunidades são para estudantes universitários do Brasil, de todos os cursos de graduação nas áreas de humanas e exatas e com formação prevista entre dezembro de 2019 e julho de 2020. Os interessados podem verificar os detalhes do programa e se inscrever pelo site da Cia de Talentos, até o dia 12 de setembro. As vagas de estágio serão para diferentes áreas dos times de negócios no escritório do Facebook em São Paulo.
“No Facebook a diversidade é essencial – quanto mais visões diferentes, melhor nossos produtos e resultados vão ser. Por isso, o programa de estágio passou a ser mais aberto para todos os cursos. Assim, mais pessoas podem trazer sua visão e nos ajudar na nossa missão de aproximar o mundo”, alerta Priscilla Rossi, líder da área de Recrutamento de Universidades do Facebook no Brasil.
O programa de estágios do Facebook tem duração máxima de um ano e oferece duas oportunidades de efetivação: no meio ou no final do programa. A iniciativa busca proporcionar uma imersão profunda na cultura da empresa e oferece um trabalho com desafios reais de uma multinacional. Os estagiários também têm a oportunidade de se desenvolver, participar de treinamentos internos e eventos de integração.
Sandra dos Anjos, estagiária do programa de 2018, explica os diferenciais da experiência: “No Facebook, nossas opiniões são levadas em consideração, as relações de trabalho são saudáveis e temos por excelência o trabalho em equipe e respeito para com os nossos colegas.”, detalha.

Em setembro é a vez de Solutions Engineering

O Facebook abrir também o programa de Solutions Engineer em setembro. A inscrição acontece pelo site Facebook Careers e o processo seletivo inclui, além das entrevistas, um teste de código. O estagiário do programa de 2018, Guilherme Gribeler conta quais são os pontos de atenção para quem quiser tentar o programa de 2019: “É importante conhecer bastante sobre o Facebook e sobre a vaga em si para entender melhor se você realmente se identifica com ela. Além disso, para a entrevista é importante saber resolver problemas de programação, então é essencial se preparar”. O profissional ainda destaca que saber se comunicar bem é essencial, já que esse é um time que interage com outros diversos grupos da companhia.
O Facebook promove diversas atividades junto à universidades de todo o mundo, incluindo no Brasil. Para conhecer mais sobre essas iniciativas e acompanhar os próximos eventos, acesse o Universities on Facebook.

Empreender é alternativa para quem quer deixar o Brasil

Empreender é alternativa para quem quer deixar o Brasil

Cooperation flags.

Por Viviane Faver, de NY
Especial para Conta-Gotas 

Abrir um negócio em outro país, como Estados Unidos e Canadá, por exemplo, é uma das formas mais fáceis de conseguir o visto de permanência e até depois de algum anos a conseguir a cidadania. Atentos a isso, brasileiros estão invadindo a América do Norte empreendendo nas mais variadas áreas, como comida, jiu-jitsu, consultoria e até cervejaria.
Mas empreender nem sempre é fácil. Transformar uma ideia em algo concreto não é simples e exige esforço. A decepção com a conjuntura brasileira motivou Victor Fernandes, de 23 anos, morador da Penha, Zona Norte do Rio, que sonha em deixar o Brasil, a juntar dinheiro para abrir um negócio no Canadá. Há dois anos, e com investimento de R$ 4 mil, Victor começou a vender pastéis e bolos em potes, em um trailer para juntar uma grana e viajar para as terras do norte.
“Infelizmente, empreender no Brasil ainda é muito difícil. O MEI (registro de microempreendedor individual) facilita ao reduzir a carga tributária do pequeno empreendedor, mas o investimento no negócio é alto e os custos também”, avalia o empreendedor.
O sonho de Victor já é uma realidade para muitos cariocas que decidiram largar tudo e investir no Canadá. Atualmente, entre as mais de 20 formas possíveis de deixar o Brasil, o empreendedorismo ganha destaque.
O empresário e atleta Bruno Fernandes, que há oito anos abriu a primeira franquia da Academia Gracie Barra (https://graciebarra.com/granby-quebec-canada), em Montreal, na província de Quebec, é um empreendedor de sucesso. “O investimento inicial de 80 mil dólares canadenses (aproximadamente R$ 230 mil) foi feito a partir de economias pessoais e financiamento. O Canadá é um país que estimula o empreendedorismo, portanto, existem algumas opções de financiamento para se começar uma pequena empresa”, orienta Fernandes.
Na cidade de Toronto, centro financeiro do Canadá, é possível comprar a cerveja artesanal carioca OverHop (https://www.facebook.com/overhopcanada/), da empreendedora Paty rios, uma das donas da marca. “Já estávamos com tudo planejado para mudar para Toronto com nossa família, quando, por coincidência, ganhamos duas medalhas no Mondial de La Bière do Rio de Janeiro em 2016, apenas três meses após nosso lançamento. Daí, fomos convidados para expor as cervejas no Mundial do Canadá do ano passado e, devido ao sucesso, resolvemos investir no mercado canadense.
“Vendemos tudo e usamos nossas reservas também, pois ainda não temos crédito nenhum aqui”, afirma Paty. A empreendedora explica que o investimento inicial foi de 120 mil dólares canadenses, em torno de R$ 330 mil.

DICAS

Para quem quer empreender no Canadá um dos requisitos básicos – e que também vale para outras seleções de imigração – é falar inglês ou francês, os dois idiomas oficiais do país. “Além de comprovar a fluência, a dica para quem quer empreender é se destacar dos concorrentes. No meu caso, eu abri uma consultoria de educação (https://www.facebook.com/rosanerodriguescanada/), que não cobra taxas e com venda direta para escolas”, conta a empreendedora e jornalista carioca, Rosane Rodrigues, que há dois anos mora no Canadá e é a única brasileira a fazer parte do time dos embaixadores oficiais da cidade de Montreal. “Coisas simples, tradicionais do Brasil, como os brigadeiros de chocolate, fazem muito sucesso e são novidade no Canadá”, diz Rosane.
Os programas federais Express Entry (https://www.canada.ca/en/immigration-refugees-citizenship/services/immigrate-canada/express-entry.html), para trabalhadores qualificados, o Self-Employed Persons Program (aberto para autônomos como escritores, pintores e artistas em geral) e o Start-Up Visa (para quem quer começar um negócio) são os mais procurados pelos brasileiros.
Além disso, cada província canadense tem autonomia e pode criar um projeto próprio, como Quebec para empreendedorismo. A consultora de imigração Mariana Chagas, do Liaison Canada Canadian Immigration Services (https://www.liaisoncanada.com/), explica que, para empreender em Quebec, o candidato deve obter o CSQ (Certificat de Selection du Quebec) e apresentar exames médicos e verificação de antecedentes criminais.
“O candidato pode criar seu próprio negócio ou comprar uma empresa que já exista e deve administrá-la em tempo integral diariamente. Se escolher ter sócios, ele deve ser dono de pelo menos 25% do negócio e colocar um investimento de no mínimo 100 mil dólares canadenses no empreendimento e comprovar patrimônio líquido de 300 mil dólares canadenses. Também se exige do candidato que ele empregue um residente de Quebec (não podendo ser membro da família) nos primeiros três anos de operação do negócio”, finaliza a consultora.

 

Cervejaria Ambev contrata trainee. Salário é de R$ 6,4 mil

Cervejaria Ambev contrata trainee. Salário é de R$ 6,4 mil

Jovens que tenham até dois anos de formados em qualquer carreira de Nível Superior, ou previsão de conclusão do curso para o final de 2018, terão até o dia 16 de setembro para se inscrever no programa de trainee da Cervejaria Ambev. O salário inicial oferecido é de R$6.400. As inscrições podem ser feitas pelo site  https://www.ambev.com.br/carreiras/trabalhe-conosco/trainee-ambev/.
Para concorrer é necessário que os candidatos tenham inglês fluente, mobilidade para morar em todo o país e estejam preparados para conhecer a fundo os negócios e os processos por trás da tradição cervejeira da companhia. O programa é aberto a todas as áreas de formação para jovens do país inteiro, não há um número fechado de vagas, e desde o primeiro dia o trainee já é um funcionário da Cervejaria Ambev.
Entre os critérios para a seleção, estão candidatos que se identifiquem com a cultura cervejeira. “Nosso programa procura jovens diversos, com autonomia e vontade de crescer junto com a companhia, trazendo energia e entusiasmo para os mais de 700 anos de história cervejeira que a empresa carrega, ajudando a fazer o nosso futuro a partir do nosso passado. Queremos formar os futuros líderes da companhia”, comenta Camilla Tabet, diretora de desenvolvimento de gente da Cervejaria Ambev.
Parte do processo seletivo será feito de forma virtual. As provas, por exemplo, serão online, que incluem inglês, aderência à cultura da companhia e raciocínio lógico. Em seguida, os candidatos realizam a análise de um case online. Depois, acontecem as entrevistas presenciais por todo o país. Posteriormente, os aprovados participam de um painel de negócios, quando desenvolvem um case em equipe. Na parte final do processo seletivo acontecem entrevistas em grupo com os vice-presidentes e o presidente da cervejaria.
Uma vez dentro do programa, os trainees passam por um treinamento completo de 10 meses com imersão em todas as áreas da companhia e contato com os funcionários mais experientes de cada setor, que compartilham seu conhecimento.
Além disso, os trainees participam de uma Integração Global em Saint Louis, nos Estados Unidos, onde surgiu a Budweiser. Nessa semana, por volta de 300 trainees ABInbev do mundo se reúnem para aprenderem mais da cultura e estratégia global com executivos, presidentes de todas as zonas e liderança sênior.
Além disso, a Cervejaria Ambev oferece programas para acelerar o desenvolvimento e a carreira dos trainees. No segundo ano de companhia, todos passam por uma mentoria com sócios para ajudá-los a direcionar os objetivos profissionais de cada um. No terceiro ano eles têm a oportunidade de participar de um curso online de Business ministrado pela Harvard Business School. Após o terceiro ano, os trainees podem ser convidados a participarem de um programa de intercâmbio em que irão trabalhar por 3 meses em outro país para solucionar um desafio estratégico local.  Ao longo de toda a carreira, a Universidade Ambev oferece programas de liderança, metodologia e técnicos para que todos os colaboradores da cervejaria sejam desenvolvidos constantemente.