Viviane Faver e
Martha Imenes

Empreender não é tarefa fácil, seja no Brasil ou fora dele, mas é o sonho de muitas pessoas que encontram em seu próprio negócio a oportunidade de crescer profissionalmente e concretizar projetos. E foi exatamente a busca por novos caminhos que levou Alcinda Saphira e Louis Ventura, 10 anos atrás a juntarem as economias e abrir uma galeria de arte integrada em Nova York, nos Estados Unidos. A Shaphira&Ventura Gallery, na 43th Street, em Manhattan.
A dupla tomou medidas inovadoras: além de fazer exposições com obras de artistas brasileiros na galeria em NY, ainda presta consultoria (coach) para artistas que queiram ganhar o mercado internacional.
“Auxiliamos no marketing internacional do artista, administramos a carreira, fazemos contatos com assessorias de imprensa, editorias, entre outras coisas”, conta Louis Ventura, que é foi professor de Economia da FGV e hoje dá aulas online.
No entanto, acrescenta Alcinda, que é artista plástica, não é qualquer candidato que recebe orientação. Primeiro a International Art Society – que é a empresa de coach – avalia minuciosamente o portfólio, caso seja aprovado, uma equipe começa o planejamento de marketing e elabora a plataforma de negócios.
EXPANSÃO
A ideia deu tão certo que a empresa vai fazer o caminho de volta: em 20 de janeiro de 2019 a Fábrica Bhering, na Zona Portuária do Rio, vai receber uma filial da Saphira&Ventura.
A empresa, que começou com investimento inicial de US$ 18 mil há dez anos, hoje está avaliada em US$ 7 milhões. E o investimento valeu a pena. De acordo com o sócio, Louis Ventura, o retorno veio em três anos e desde então a empresa atingiu um lucro anual de 300%.
E as expectativas dos sócios são promissoras; mesmo com a expansão para outros países – além do Rio e São Paulo, Cingapura, Paris, Munique, Mônaco, Dubai e Madri -, a projeção de alta é de 20%. “A projeção não é maior devido aos gastos que empresa fará este ano para expandir em outras cidades”, conta Ventura.
NEGÓCIO
Os empreendedores dão a dica para quem quiser investir na terra do Tio Sam. Como o governo norte-americano não libera empréstimos com facilidade, os futuros empresários precisam apresentar um projeto voltado para ações sociais e mostrar que o negócio tem algo a oferecer ao país, como geração de empregos. “Desta forma, o governo americano apoia e libera o financiamento”, orienta Ventura.
“Não existe sorte na terra do Tio Sam, 90% dos profissionais são extremamente focados, determinados e trabalham duro, e seguem as normas do mercado”, diz Ventura.
“Nos Estados Unidos é diferente do Brasil, onde tudo é ‘engessado’ e o governo não ajuda em nada, no final das contas os empresários brasileiros são obrigados a ‘dar um jeito’”, lamenta Ventura.
E completa: o governo brasileiro apoiava e financiava galerias para que participassem de feiras como incentivo a arte, e isso não acontece mais. O resultado, segundo ele, é que galerias brasileiras não têm dinheiro e o Brasil está fora do circuito de arte.

Para visto permanente, a saída é empreender

Martha Imenes

Para brasileiros que desejam sair do país e começar uma vida nova nos Estados Unidos, uma boa dica é a prorrogação do prazo para requerer o visto EB-5, ou visto de investidor, que garante visto permanente nos Estados Unidos com a contrapartida de investimento em projetos. O sucesso veio para pelo menos 280 brasileiros em 2017 que se mudaram para os EUA. O visto pode ser requerido até 7 de dezembro. Os interessados podem investir um mínimo de US$ 500 mil no programa.
Nos primeiros 24 meses, há o visto temporário, e após este tempo, é possível requisitar o visto permanente. O tempo de dois anos é determinado para que o dinheiro captado tenha gerado pelo menos dez postos de emprego em regiões estadunidenses.
Ana Elisa Bezerra, vice-presidente da LCR Capital Partners, que presta consultoria sobre projetos EB-5, alerta que esta prorrogação é importante para quem pode garantir o aporte de US$ 500 mil até dezembro. O valor não sofre reajuste desde os anos 90. “Uma das mais prováveis mudanças será o reajuste do valor mínimo de investimento, por isso a prorrogação oferece um bom momento para quem deseja aplicar para este visto”.
Um ponto destacado por Tadeu Ferreira, da LFA – Leaf, Ferreira de Araújo, especialista em Imigração, que reside em Miami, existem outras alternativas para quem não tem tanta grana para investir. O visto H1B, por exemplo, é conhecido como a “loteria do visto”, e é um dos mais procurados. Nessa modalidade o candidato precisa ser bacharel em áreas que tenham atuação nos EUA, como por exemplo, professor. “É importante destacar que neste caso é preciso de um ‘patrocinador’. Ou seja, alguém que contrate esse trabalhador”, conta o advogado. Esse tipo de visto vale inicialmente por três anos e pode ser prorrogado por mais três. Caso o sortudo seja sorteado pelo governo, ele recebe o green card.
Outra forma de ir para os EUA é com o visto F1, que é o de estudante. Mas nesse caso não dá direito a green card e quando acabar o curso, caso não consiga um trabalho no país, o retorno ao Brasil é certo. Para o F1 é preciso ainda demonstrar que tem condições financeiras para estar no país durante o curso. E isso não é nada barato. “São necessários cerca de US$ 1,5 mil para despesas do curso, mais outros US$ 1,5 mil para pagar um aluguel e os gastos com alimentação e transporte, que deve dar em torno de US$ 500”, explica Ferreira. Essa continha, no barato, dá uns US$ 60 mil de gastos por ano.
O chamado ‘visto de investidor’ para conseguir o green card teve o Brasil pelo terceiro ano consecutivo como país onde o consumidor mais busca esse tipo de empreendimento. Em 2017, o país mais procurado voltou a ser os EUA, onde brasileiros investiram US$ 37 bilhões, gerando mais de 74 mil empregos segundo levantamento da U.S. Bureau of Economic Analysis.

Colaborou: Edda Ribeiro