Por Viviane Faver
Especial de Nova York

NOVA YORK (EUA) – Um tipo de negócio tem crescido e levado empresas brasileiras a mirar o exterior para crescer e investir: o banco de investimento especializado em necessidades familiares, ou merchant banking. Mas o que seriam necessidades familiares? O executivo Julio Lage, da Belvedere Investimentos – que gerencia esses recursos – explica que a área de atuação é bem ampla, como investimento em ações, aquisição de imóveis, de crédito (gerir um portfólio ou até mesmo levantar recursos) e de energia (geração e comercialização), por exemplo. O foco nestes segmentos, segundo a empresa, é buscar renda consistente e de longo prazo.

O nicho de atuação da brasileira tem dado tão certo que além de escritórios em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Vitória e Recife, já atua nos Estados Unidos, tem operação em Portugal e planeja seguir para Toronto, no Canadá.

A crise no Brasil abriu oportunidade de expansão para outros mercados, segundo o executivo. “O nosso crescimento prova isto e acreditamos que o fato de oferecermos um modelo novo, onde ao contrário de vendermos produtos buscamos entender as necessidades das famílias e customizar vossas demandas, temos um modelo diferenciado. Agregar valor aos relacionamentos reduz sua dependência a ciclos econômicos. O grupo Belvedere está neste caminho nas diversas jurisdições que atuamos”, diz.

“A Toronto Stock Exchange, principal bolsa de valores do Canadá, possui diversas empresas listadas com ativos minerais no Brasil como ouro, diamante, minério de ferro, por exemplo. Por conta disso já contactamos investidores canadenses”, explica.

DO BRASIL PARA FORA

Um ponto que pode atrair pequenos e médios investidores brasileiros à América do Norte (EUA e Canadá) é a simplificação tributária, ao contrário do que ocorre no Brasil. “As regras são claras, mas é preciso entender o mercado norte-americano. E para isso uma assessoria legal especializada é primordial”, dá a dica. “Com a redução da taxa de juros no Brasil, no menor patamar desde o Plano Real, as famílias têm que buscar uma gestão de recursos para manter o nível de renda de anos anteriores”, avalia Julio Lage.

“O mais importante para quem quer investir fora do Brasil é entender as particularidades do mercado, dos potenciais clientes e da regulação e regras de cada segmento”, acrescenta. De acordo com Lage, é importante para o investidor entender que os mercados (Brasil-EUA) se comportam de forma diferente. “O mesmo posicionamento que se tem no Brasil, por exemplo, pode não garantir sucesso quando a empresa ou o negócio se instalam nos Estados Unidos”, comenta o executivo.

Observar essas particularidades, segundo o executivo, pode fazer com que o investidor familiar brasileiro seja bem sucedido no exterior.

Edição: Martha Imenes