Marcas brasileiras de calçados são destaque nos EUA

Marcas brasileiras de calçados são destaque nos EUA

Por Viviane Faver
Especial de NY

Marcas brasileiras de calçados como  Ipanema, Zaxy, Carrano, Vicenza, Kidy, Magia Teen, Petite Jolie , Ala, Zatz, Pegada, Offline, Suzana Santos e Renata Mello, estão participando da maior feira de calçados da América do Norte, a FN Plataform, que ocorre essa semana em Las vegas, nos Estados Unidos. Além de calçados, a feira deste ano também conta com os setores de vestuário e acessórios.

E os calçados brasileiros têm ganhado espaço no mercado norte-americano. No mês de julho, as exportações para os EUA registraram o embarque de 7,9 milhões de pares que geraram US$ 84,35 milhões, incrementos de 65,2% em volume e de 44,4% em dólares no comparativo com o mesmo mês do ano passado. Com isso, a soma dos sete meses do ano chegou a 65 milhões de pares e US$ 565 milhões, altas 8,2% em volume e de 3,6% em receita no comparativo com igual período correspondente de 2018, segundo dados fornecidos pela  Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados).

Segundo a analista de Promoção Comercial da Abicalçados, Ruisa Scheffel, essa expansão deve trazer uma visitação ainda maior do que a registrada em eventos anteriores, média de 50 mil pessoas, pois facilitará a logística dos compradores. “Um comprador que está buscando um look completo para sua loja, poderá comprar calçado, acessórios e vestuário em um único local. Serão abertas novas oportunidades”, avalia.

Na FN Platform do ano passado, a participação nacional gerou mais de US$ 3,5 milhões, somados os negócios realizados durante o evento. “Trata-se de um número significativo, porém o principal é o relacionamento realizado com uma gama de importantes compradores de mais de 100 países, especialmente do maior mercado para calçados do planeta, os Estados Unidos”, comenta Ruisa.

Ela ainda projeta que as vendas brasileiras devem ser impulsionadas pela guerra comercial travada entre Estados Unidos e China, que tem feito com que compradores norte-americanos busquem alternativas de fornecimento fora do país asiático como forma de se precaver diante das possibilidades de novas tarifas de importação. “Além disso, temos o fato do dólar valorizado sobre o real, o que possibilita a formação de preços mais competitivos”, conclui a analista.

Todas as marcas brasileiras participantes do evento foram apoiadas e direcionadas pelo Brazilian Footwear, programa de apoio às exportações de calçados mantido pela Abicalçados em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Um bom exemplo dos benefícios da participação em eventos internacionais como este pode ser visto na expansão da marca de calçados do Rio Grande do Sul, Vincenza, fundada em 1992, com apenas cinco funcionários, emprega, hoje, 200 funcionários e atua em 500 pontos de venda no Brasil espalhados por todos os estados e comercializa seus produtos para cerca 350 clientes ao redor do mundo ,  presente em 62 países nos 5 continentes, segundo o diretor de vendas internacional, Geison Ferreira.

“A feira de Las Vegas é uma das principais do segmento a nível mundial e movimenta cerca de R$ 1 milhão em vendas. A marca já participa do evento desde 2015, mostrando nossos produtos para os principais clientes nos EUA e Canadá e prospectando novos clientes, principalmente boutiques e lojas online.”, ressalta Geison.

A empresa já possui 50% da sua receita oriunda do mercado externo e enxerga no exterior grandes oportunidades para crescer. Os produtos feitos pela marca têm grande aceitação dos clientes internacionais. “Hoje vemos o mercado externo como peça fundamental para o crescimento  e acreditamos que uma marca forte internacional tem maior poder também no mercado brasileiro. Além disso, os frutos oriundos da internacionalização geram aprendizados importantes para continuarmos melhorando nossos produtos”, declara.

No geral a Vincenza  cresceu 30% de 2017 para 2018, alavancada pela exportação que cresceu mais de 200% em receita no ano. E o crescimento esperado para final de 2019  é de 19%, de acordo com o diretor de vendas internacionais.

Para os interessados em participar da feira em Las Vegas, Geison avisa que os maiores gastos estão no desenvolvimento de amostras, espaço, ambientação, hospedagem e passagem aérea, divulgação e investimento em consultoria de produto e comercio internacional.

Para concluir ele relata que o consumidor americano se mostra mais casual do que o consumidor brasileiro. “Vemos, aqui na feira, um grande movimento dos consumidores buscando produtos mais confortáveis e de uso diário e as marcas precisam oferecer uma gama maior de produtos para cativar novos consumidores”, avisa.

Plataforma criada por brasileira ajuda mulheres empreendedoras de forma criativa em NY

Plataforma criada por brasileira ajuda mulheres empreendedoras de forma criativa em NY

Por Viviane Faver
Especial de NY

Rede de empoderamento feminino faz nova edição em Manhattan e mostra, de forma criativa, como empreender. O evento EmpowHer NY, criado há um ano atrás, pela bailarina brasileira integrante da companhia de dança, Dance Theater of Harlem, Ingrid Silva, foi realizada quinta-feira e reuniu empreendedoras, maioria brasileiras, que estão começando seu negócio em Nova York, nos Estados Unidos.
Com foco em criação de networking o EmpowHer NY em sua quinta edição contou com cinco mulheres negras bem sucedidas que abordaram a diversidade no mundo de negócios e contaram como enfrentaram o preconceito e criaram oportunidades.
“O nosso público tem dobrado a cada edição trazendo diferentes mulheres que podem ajudar uma as outras”, declara Ingrid, acrescentando que um dos principais suporte dado as jovens empreendedoras é oferecer o espaço para que elas possam expor seu negócio durante o evento.
Nesta edição, a brasileira Mayara Albuquerque trouxe suas joias feitas à mão para vender e fez um pingente inspirado no evento que representa o útero feminino. Sua marca, May, foi criada há cinco anos no Brasil, em Natal, onde tem uma loja. “Todas a joias são feitas à mão com prata, ouro e pedras naturais”, conta.

Em 2017 ela foi convidada para expor no salão Maria Bonita, no bairro do Queens, em Nova York, e ficou apaixonada pela cidade. Tomou a decisão de se mudar definitivamente há cinco meses atrás. Desde então já expôs em três diferentes espaços na cidade. Além de manter suas vendas para o Brasil pelas suas lojas online e física em Natal. “Qualquer joia que vendo em Nova York vale quatro vezes o valor no Brasil e me ajuda a continuar investindo no meu negócio”, diz.

Mayara conta que sua expectativa de montar uma loja online para atender publico em Nova York e no futuro uma loja física. Por enquanto ela segue expondo em eventos como EmpowHer e na loja de lingerie Only Hearts, em Manhattan.
Outra empreendedora brasileira que colabora com o evento é a carioca e produtora de eventos Elizabeth Christopher. Ela foi convidada por Ingrid para palestrar na primeira edição, falando sobre mulheres acima de 45 anos que decidem mudar de carreira e recomeçar do zero.

“Após palestrar fiquei tão envolvida com essa plataforma, que resolvi ajudar e virei a coordenadora dos eventos. E aproveitei para divulgar meu novo negócio que é a venda de comida de baixa calorias”, afirma.
Elizabeth trouxe algumas amostras de sua comida para o evento e o resultado foi positivo. “O resultado esta sendo ótimo, porque não só as pessoas me veem, como me conhecem e isso torna nossa relação mais pessoal. Elas acabam me indicando e meu negócio está fluindo”, conclui Elizabeth.

Farm abre loja em NY e mira mais três cidades nos EUA

Farm abre loja em NY e mira mais três cidades nos EUA

Por Viviane Faver
Uma das mais famosas marcas de roupas, a carioca Farm, inaugurou sua primeira loja internacional no Soho, em Nova York no final de abril. E já tem previsão para inauguração da segunda no dia 10 de julho em Los Angeles, e terceira no mês de setembro, em Miami. E até o final do ano a marca pretende abrir a quarta loja no Texas.
E os planos não param por aí: no meio de toda essa expansão, e empresa iniciará vendas para China através da plataforma online T-Mall, com planos de entrar em breve no mercado europeu, segundo a diretora criativa da Farm, Kátia Barros em entrevista ao DIA.Ela conta que a empresa enxerga Nova York como a plataforma de lançamento para a expansão global, iniciando esse processo pela cidade americana que é a capital de negócios. “O bairro escolhido, o Soho, especificamente é a vizinhança perfeita para alcançarmos os novaiorquinos e também turistas”, diz.

“Com a abertura da loja do Soho, além de ampliar a visibilidade da marca, possibilitamos que os consumidores experimentem a a marca de uma maneira imersiva e muito especial”, conta Kátia.

O projeto criado pelo Marcelo Rosenbaum traz para NY toda a energia brasileira e cria um ambiente acolhedor. A diretora da marca acrescenta que o público alvo em Nova York são mulheres autênticas, solares, de espírito jovem e que buscam marcas que estão alinhadas com o seu estilo de vida.

“A coleção que está à venda na loja do SoHo foi desenvolvida com foco nas especificidades do mercado americano, com a temática Spring Summer 19, destacando o que Farm tem de mais original: a estamparia”, acrescenta.

No entanto como toda boa expansão requer cuidados e muito estudo, Kátia explica que o processo de internacionalização da marca se iniciou a mais de dois anos. “Durante esse tempo, estudamos o mercado e o consumidor americano para traçar a melhor estratégia de produto e negócio. Trabalhamos com um esforço coletivo de equipes internas e externas”, finaliza.

Edição Martha Imenes
EUA são o principal mercado para sapatos brasileiros

EUA são o principal mercado para sapatos brasileiros

Viviane Faver/ODIA
As marcas de sapatos brasileiras irão se beneficiar da renovação de contrato entre a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), que ocorreu na quarta-feira passada, na 51ª Francal, em São Paulo, obtendo mais oportunidades para vendas e exportação para os Estados Unidos. Segundo o diretor-executivo da Abicalçados, Haroldo Ferreira, contou ao https://odia.ig.com.br/  que serão R$ 30,8 milhões investidos em ações nos próximos dois anos. Desses, R$ 16 milhões são provenientes da agência e R$ 14 milhões são contrapartida das empresas participantes.

Os Estados Unidos são o principal mercado para o calçado brasileiro no exterior mantendo a posição há 20 anos, de acordo com a responsável pelo mercado internacional da associação, Ruisa Korndorfer Scheffel. “No princípio, as exportações, na década de 70, chegaram a responder por 70% do total gerado pelos embarques. O país segue como principal mercado internacional, porém respondendo por uma fatia menor, de cerca de 20% (em valores)”, conta Ruisa.

No entanto, ela acrescenta que mercado norte-americano é também muito competitivo. “Todas as grandes marcas do mundo têm interesse de atingir o consumidor americano. Os Estados Unidos é vitrine mundial”, afirma. Por isso ela alerta sobre a importância o perfil do cliente americano. “O cliente norte-americano tem uma gama enorme de marcas de diferentes países a disposição, por isso as marcas brasileiras precisam mostrar que possuem um diferencial e que é um atrativo para o seu público final”, orienta.

A maior parte dos produtos brasileiros estão concentrados na Costa Oeste, por ser local de realização de uma das maiores feiras do mundo voltada para esse setor, a FN Platform, em Las Vegas.

Números de exportação e negócios

No mês de maio, conforme dados da Abicalçados, os norte-americanos importaram 782 mil pares de calçados, pelos quais foram pagos US$ 14,7 milhões. Os resultados são superiores tanto em volume (63,7%) como em receita (80%) na relação com igual período do ano passado. Com isso, no acumulado dos cinco meses do ano, os Estados Unidos já somaram 5,6 milhões de pares importados do Brasil, pelos quais foram despendidos US$ 84,76 milhões, incrementos de 31,2% em pares e de 43,4% em receita no comparativo com período correspondente do ano passado.

O presidente-executivo da Abicalçados, Heitor Klein, destaca que a guerra comercial, instalada entre Estados Unidos e China, tem feito com que os norte-americanos – que representam o maior mercado consumidor de calçados do planeta – substituam seus fornecedores, buscando importações em outros países. “Os Estados Unidos importam mais de 2,3 bilhões de pares por ano, mais de 70% deles da China. Então o impacto é muito significativo”, explica Klein, para quem o mercado brasileiro tem plenas capacidades de absorver boa parte da demanda norte-americana. Nos últimos cinco meses, continua o executivo, as vendas de calçados chineses para os Estados Unidos caíram mais de 70%.

Estados brasileiros

Nos cinco primeiros meses do ano, o maior exportador de calçados do Brasil seguiu sendo o Rio Grande do Sul, de onde partiram 12,17 milhões de pares por US$ 181,23 milhões, altas de 11,8% em pares e de 2,7% em receita. O segundo exportador foi o Ceará. Nos cinco meses, os calçadistas cearenses exportaram 19,53 milhões de pares por US$ 115,8 milhões, incrementos de 5,6% e de 15,4%. No terceiro posto apareceu São Paulo, de onde partiram 3,3 milhões por US$ 44,18 milhões, incremento de 10,1% de volume e queda de 4,4% em receita.

Edição: Martha Imenes
Mulheres preciosas: designers brasileiras fazem mostra de joias em NY

Mulheres preciosas: designers brasileiras fazem mostra de joias em NY

Por Viviane Faver

As pedras brasileiras se destacam em joias produzidas por mulheres brasileiras e “desfilam” em Nova York, para encantamento dos norte-americanos, que veem nas peças a oportunidade de ter um produto que alia beleza, pedras de alto valor e metais nobres, como ouro e prata, e o mais importante: são exclusivas. E para dar espaço a essa beleza produzida por brasileiras, no final de abril, a Cidade da Maçã sediou a exposição Collect Brazilian Jewelry, que ocorreu na galeria One Art Space, em Tribeca, Manhattan.
O evento teve a participação de 20 mulheres joalheiras de diferentes partes do Brasil, que mostraram sua produção e experimentaram a arte de fazer negócios no setor de joalheria no mercado internacional. A exposição teve como tema Empoderamento da Mulher e exibiu peças criadas especialmente para o evento compostas com o melhor do ouro, prata e pedras preciosas brasileiras.
Dorine Botana, de São Paulo, curadora e organizadora do evento, conta que criou o coletivo Collect Brazilian Jewelry com intuito de juntar grupos de designers brasileiros e mostrar uma joalheria autoral fora do Brasil. É importante destacar que as peças exclusivíssimas são produzidas com esmeraldas, rubis, pérolas, diamantes, entre outras, além de ouro e prata. Ou seja, quem comprar uma das joias não corre o risco de encontrar uma “gêmea” por aí.
“O designer brasileiro é muito criativo e diversificado, por isso muito bem apreciado e aceito tanto na Europa como nos Estados Unidos”, avalia Dorine, que em 19 anos já produziu eventos na Suécia, França, Dinamarca, Hungria, República Checa, Itália, Espanha e Portugal.

Uma janela de oportunidades
E não é hoje que as joias brasileiras são muito bem reconhecidas em países estrangeiros. Esse fator somado à crise no Brasil favorece a ideia de investir em exposições nos grandes centros como Nova York. Para se ter uma ideia, o Brasil está no ranking dos 15 maiores produtores de peças em ouro, com um total de 22 toneladas de joias criada e comercializadas, segundo dados apurados pelo Instituto Brasileiro de Gemas e Materiais (IBGM), que agrega 261 indústrias ligadas ao mercado de joias.

Montar uma exposição com objetivo de alavancar negócios e reconhecimento em Nova York não é tarefa fácil. Dorine explica, com exclusividade, como funciona. O custo inicial para participar do evento desse porte gira em torno de US$5 mil e oferece retorno estimado em até 50%. Mas, diz Dorine, os benefícios vão além do dinheiro. “O expositor que faz esse tipo de negócio esta em busca de reconhecimento da sua marca e, porque não, a chance de expandir permanentemente seu negócio em terras internacionais”, avalia.
E por que Nova York? A curadora e organizadora do evento é direta: visibilidade. Nova York é uma ampla vitrine para produtos e serviços brasileiros. Por isso a seleção dos expositores é bem rigorosa. “São feitas avaliações do trabalho do designer e é imprescindível que as peças sejam únicas e feitas a mão”, explica.

Mostra no exterior garante maior visibilidade às joias
Designers brasileiras contam como é participar de um evento no exterior e todo o processo de produção das peças. Entre as 20 participantes, três se destacam mais pela sua originalidade e o uso de diferentes técnicas usadas nas construções das jóias.
Produtora da coleção Desigual, onde todas as peças foram influenciadas pela natureza, Maria Antonia Antonelle, também de São Paulo, gemóloga de formação, já expôs na França, Itália, Iugoslávia, Emirados Árabes. Maria Antonelle afirma que estar na mídia internacional é ter acesso ao mundo da joalheria. É também ser reconhecido no Brasil, pelo trabalho realizado fora.
“É mais marketing do que venda, e Nova York é um grande centro de negócio, onde tudo acontece. E como não poderia deixar de ser arte na joalheria. O país tem grande potencial para o cliente que deseja ter uma joia exclusiva com sua características pessoais”, avalia.
Cabe ao curador selecionar as peças a serem expostas. Maria Antonia conta que somente podem participar da exposição joalheria autoral e com peças únicas. “É esse o diferencial. O cliente estrangeiro valoriza a exclusividade e considera joalheria como arte. No Brasil existem clientes com esse perfil, mas em número muito menor. O mercado joalheiro no Brasil gira em torno do modismo”, afirma.
E acrescenta: “A curadora pesquisa os países, faz contatos com curadores de galerias e com a mídia que faz a divulgação do evento tanto no Brasil como no país da exposição. Além, de providências como vitrines, coquetel, catálogos. E antes disso faz a seleção dos designers e a assinatura do contrato”.
A designer Telma Aguiar, de Fortaleza, concorda com Maria Antonia, e acrescenta que além dos os clientes europeus e americanos apreciarem as peça atemporal e diferente, não pedem descontos e valorizam bastante o joalheiro.
“Já o cliente brasileiro quer o que está na moda, muitas vezes pede para fazer uma cópia, não valoriza muito o joalheiro, pedem muitos descontos e querem quase sempre parcelar”, lamenta a designer.
Telma que completou sua 16ª exposição internacional em Nova York, já esteve na Alemanha, Espanha, Portugal. Ela desenvolveu uma coleção especial para NY chamada Jardim – que teve como inspiração o cuidado pessoal, do relacionamento e do amor próprio para enfrentar os desafios do dia a dia como mulher.
Telma, que também trabalha como bancária, analisa a crise no Brasil como uma época de incertezas que o país vem atravessando nos últimos anos, que faz com que os consumidores e varejistas tenham mais cautela ou até mesmo pensar em paralisar os planos de expansão de um negócio.

“O mercado de joias tem as perspectivas positivas, mas é necessário ter uma variedade de portfólio, percepção da qualidade dos produtos por parte dos consumidores, qualidade da matéria-prima disponível, variedade dos canais de venda e demanda interna aquecida”, avalia Telma.
O processo evolutivo das matérias primas dos metais e gemas brasileiros foi o que impulsionou a carreira da designer Berta Antunes, de Araruama, na Região dos Lagos (RJ). Especialista em trabalhar com prata pura, ela começou sua carreira fazendo essas experimentações.
Berta participou anteriormente com a mesma produtora do grupo de trabalho da Collect Brazillian Jewelry, em Paris, na Joaillerie Contemporaine D’auteur au Carrousel Du Louvre, em 2018.
A inspiração da sua coleção foi influenciada pelo artesanato da cestaria que reflete a importância da atividade feminina no processo de evolução cultural, como a trama, enredo, e fios entrelaçados revelando a delicadeza e força feminina.
Os principais desafios, segundo Berta, é driblar o preconceito que ainda existe no mercado e conseguir verba para bancar o alto custo da empreitada fora do Brasil, esse valor varia de US$ 2 mil a US$ 5 mil, com retorno em torno de até 50% do valor investido. Mas, segundo ela, vale a pena fazer esse investimento. “O retorno é mais sobre a divulgação, que vai gerar maior reconhecimento para suas peças”, avalia.
“Naturalmente, o Brasil possui excelentes artistas que não conseguem sobreviver economicamente a estas demandas mercadológicas. O mercado é cruel com os produtores de arte em todas as instâncias e há uma corrente preconceituosa em todas as linguagens artísticas penalizando-nos, inclusive”, finaliza.

Edição: Martha Imenes

Calçadistas apostam, e investem, em sustentabilidade

Calçadistas apostam, e investem, em sustentabilidade

Por Viviane Faver

NOVA YORK (EUA) – Os tempos mudaram e o perfil do consumidor também. E para acompanhar essas mudanças o mercado teve que se adequar. E o de calçados não ficou atrás. Hoje em dia os consumidores estão cada vez mais conscientes e priorizando marcas que adotem processos que tenham compromisso social, ambiental, cultural e econômico. A isso chamamos de sustentabilidade. E para “chancelar” as boas ações de empresas comprometidas com ações sustentáveis a Associação Brasileira da Indústria de Calçados (Abicalçados) em parceria com a Associação Brasileira das Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos (Assintecal), com o apoio do Instituto Brasil By (IBB), criou um programa para certificar as marcas que trabalham centradas nos pilares da sustentabilidade.

“Com o programa Origem Sustentável pretendemos certificar justamente todos os pilares que abrangem o conceito de sustentabilidade, que devem estar em sinergia por meio do que chamamos de gestão de sustentabilidade”, contou ao DIA o gestor de projetos da Abicalçados, Cristian Schlindwein. O executivo avalia que a sustentabilidade traz vantagens internas de competitividade pois otimiza o uso de materiais e prevê o reaproveitamento de matéria-prima e isso reduz custos de produção.

E ele dá dicas: as marcas devem ter alguns cuidados quando começarem a trabalhar com produto sustentável. “Primeiramente é preciso que não seja somente um produto sustentável e sim um processo sustentável. Que vai desde a concepção do produto, passando pela sua fabricação até o ponto final, no varejo, com a adoção de mecanismos de logística reversa, por exemplo”, explica.

E acrescenta: “Funcionários produzindo em condições de trabalho dignas também é sinônimo de sustentabilidade. A empresa deve ser, acima de tudo, culturalmente sustentável, pregar isso no seu dia a dia, com a conscientização de funcionários que a questão para a sociedade.”

Schlindwein conta que mercados sofisticados, como o europeu, já adotam critérios de sustentabilidade para a escolha de fornecedores há um bom tempo, sendo um exemplo muito importante o Reach, legislação que trata sobre produtos químicos danosos à saúde humana e ao meio ambiente em produtos consumidos nos países do bloco.

Outros mercados, especialmente de países em desenvolvimento, já vem criando mecanismos de controle para assegurar o desenvolvimento de produtos realmente sustentáveis. Ou seja, o mercado internacional vem olhando com mais atenção para a questão, e as empresas que se adiantarem, com a adoção de processos sustentáveis tendem a conquistar uma fatia maior – e melhor – do mercado.

Piccadilly produz mais de 35 mil pares por dia

A Piccadilly, indústria que produz mais de 35 mil pares de calçados por dia, comemora a conquista da certificação de Origem Sustentável em Ouro, o que significa que a empresa alcançou 90% dos indicadores do programa. A técnica em Segurança do Trabalho e Meio Ambiente da empresa, Morgana Marca, conta que a empresa participa da iniciativa desde 2013, quando entrou na categoria Bronze. “Para fortalecer o compromisso com a sustentabilidade, em 2016 recebemos a certificação Prata e hoje a certificação Gold”, comemora.

Segundo ela, a certificação, que é auditada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas e pela System & Service Certification (SGS), traz confiabilidade ao mercado. “A conquista garante aos consumidores que não estão apenas levando para casa mais um produto, mas também a garantia de que a empresa oferece benefícios à sociedade e à natureza”, acrescenta Morgana, ressaltando que sustentabilidade significa, para a Piccadilly, muito mais do que obrigações legais, mas minimizando impactos negativos e maximizando os positivos nos processos produtivos.

“Gerar empregos, renda, descarte de resíduos ambientalmente saudável, comprar matérias-primas de fornecedores que também abraçam essa causa são alguns dos exemplos que podemos citar de como a sustentabilidade é incorporada à cultura Piccadilly”, explica.

Calçados Bibi: referência no universo infantil

Outra marca brasileira que investe pesado na sustentabilidade é a Calçados Bibi. Fundada em 1949, a Calçados Bibi é referência no mercado de calçados infantis. Com fábricas em Parobé (RS) e em Cruz das Almas (BA), produz cerca de 2 milhões de pares ao ano.

Presente em mais de 70 países nos cinco continentes, no Brasil está em mais de 3,5 mil pontos de venda multimarcas, além do e-commerce e de uma rede de franquias com mais de 100 lojas.

A marca de calçados infantis conquistou reconhecimento do setor a partir do trabalho que desenvolve com os calçados fisiológicos e no emprego de tecnologia da palmilha Fisioflex Bibi – que proporciona a sensação de andar descalço no seu público-alvo: as crianças.

Segundo o gerente de suprimentos da Calçados Bibi, Ismael Fischer, A Bibi sempre buscou ser uma empresa que trabalha com foco em questões sustentáveis. Mas foi em 2013 que a empresa aderiu ao Programa Origem Sustentável. Na ocasião, a marca já atendia acima de 76% dos indicadores obrigatórios, conquistando o Selo Bronze. Dois anos depois obteve o Selo Prata, o atendimento acima dos 76% de indicadores obrigatórios e 69% de indicadores muito importantes.

Em 2016, a empresa foi novamente auditada, obtendo o Selo Ouro, comprovado pelo atendimento superior aos 76% de indicadores obrigatórios, 69% de indicadores muito importantes e acima de 34% de indicadores desejáveis. Já em novembro de 2018, a Bibi obteve o Selo Diamante, que é o mais alto nível do programa. Por meio deste selo, a marca demonstrou que além de atender aos requisitos do Selo Ouro, também comprovou a evolução em seis indicadores nos últimos dois anos. Estes indicadores apontam melhorias em questões ligadas à gestão de resíduos, substituição de adesivos químicos por base água, utilização de componentes e embalagens recicladas e recicláveis, e a incorporação da sustentabilidade no planejamento estratégico da empresa.

A empresa tem o “Projeto Bibi não Tóxico” que desenvolve e monitora fornecedores e processos industriais: são 125 fornecedores e 2.650 materiais monitorados, por coleção, para que todos os calçados sejam produzidos com materiais não tóxicos a saúde de crianças de 0 a 9 anos e a aquisição de energia elétrica oriunda de fontes sustentáveis.

A empresa fechou o ano de 2018 com 110 unidades em operação, sendo quatro delas internacionais. A marca registrou um aumento de 4% na rede de franquias, além de implantar 13 novas unidades em diferentes estados brasileiros.

Edição: Martha Imenes